quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Divagações

Há um sentimento vagando por aí...
Verbalizado nos mais extrovertidos.
Ofuscado de distintas formas, 
sobretudo nos âmagos mais fechados, 
seja na comunicação não verbal, 
ou mesmo nas sinalizações.
Invísivel aos menos observadores.
Andarilho dos espaços da mente, 
navegante de redutos abissais,
viajante da madrugada,
residente por vezes recluso.
Sentimento movido à esperança, 
capaz de apegar-se a princípios contrários,
não vislumbrados aos olhos externos.
É o desejo de vida.
A clara consciência,
de que frutos não vêm como obra do acaso,
mas como consequência da semeadura.
É a vontade de ser cada dia melhor, 
de entender que sempre podem haver novos caminhos...

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Esperança

Enquanto houver chama,
ou quiçá uma centelha de fé,
múltiplas perspectivas abertas.
Na movimentação dos ponteiros,
instantes adicionais para novas oportunidades.
Pelas areias da ampulheta,
o consumo econômico dos grãos convertidos no tempo.
Em havendo energia,
a força pra lutar.
No cerne de vontades,
a possibilidade de manifestar desejos.
Em já havendo flores,
frutos a esperar.
Com a fome,
a probabilidade de se saciar.
Em meio à existência de sementes,
esperanças a plantar.
Em havendo trabalho,
colheitas a esperar.
Pela iminência de boas notícias,
novos caminhos a planejar.
Sempre que o pulso estiver correndo pelas veias,
o florescer de novas arfadas.
Enquanto existir um novo dia,
a renascença com o advento dos raios do sol.
À medida que houver vida,
a possibilidade do milagre.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Prelúdio

Uma ponte,
mesmo que vulnerável a cair nas águas,
mas que leve a outro lado do rio.
Uma carona,
que se move pela estrada empoeirada,
na desconhecida e rústica Veraneio.
Um cantinho na jangada,
que se aventura no mar.
Um espacinho,
na carroceria insegura de um caminhão,
ou quiçá,
nas chacoalhadas intermitentes de um carro de boi.
Um assento,
fragilmente selado,
no lombo de um burro.
Um passaporte,
só de ida,
no horizonte desconhecido.
Uma coruja,
com asas benevolentes,
capaz de guiar pela escuridão da noite.
Uma gaivota,
que sobrevoe o infinito do mar,
e que conduza a uma nova cidade.
Um peixe,
que leve pelas profundezas dos oceanos,
nos distantes redutos abissais.
Rusticidade na origem,
precariedade do transporte...
Meios e variadas circunstâncias para evadir.
Num grande desejo de partir,
o coração se apega à mínima possibilidade de fuga.
Independente da forma de saída,
sempre existirão incertezas sobre as novas estações de parada,
neste trem que percorre o caminho da ilusão.
Depois de um tempo,
dificuldades no contexto da saída pode se tornar até irrelevantes,
posto que exigências da vida são constantes.
Mesmo que alguém possa ter sido beneficiado nas suas primeiras partidas,
pessoas sempre terão que desenvolver novas habilidades.
Na musicalidade da vida,
sempre exigirão novos repertórios, novos acordes.
Cada regente deverá desempenhar novas maestrias.  

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Recôndito

No alto da serra,
entre fontes e nascentes,
uma vivenda na simplicidade.
Rusticidade paira no ar.
Numa extensa,
simples,
e aconchegante varanda,
abrigo aos pássaros,
receptividade para visitantes.
Portões livres aos pensamentos.
Cômodos convidativos à oração.
Reflexão,
acolhimento.
As atenções são variadas:
movimentos dos pássaros,
uivos dos ventos,
neblina do horizonte.
Liberdade para arranhar acordes,
cadenciar canções,
arranhar versos.
Em substituição às exigências do ofício,
a espontaneidade.
Ponteiros do relógio giram despercebidos.
Nada de processos, metodologias...
Adaptações com o remoto garantem
funcionalidade do essencial.
Rodeado de árvores,
um ambiente de abrigo para a alma.
E no coração de um corredor,
outrora aflito e apressado,
a serenidade,
a mansidão.
O desejo de chegar antes do amanhecer,
e preceder os raios do sol não mais existem.
Aprendizados se desconcertaram.
No alto da colina,
o viajante inquieto quer mesmo é descansar.

Desejos

Desejos... De andar sobre as águas. De encontrar a flor de lótus, nos pântanos da vida. De traduzir mais entrelinhas. De perdoar mais, não s...