sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Prelúdio

Uma ponte,
mesmo que vulnerável a cair nas águas,
mas que leve a outro lado do rio.
Uma carona,
que se move pela estrada empoeirada,
na desconhecida e rústica Veraneio.
Um cantinho na jangada,
que se aventura no mar.
Um espacinho,
na carroceria insegura de um caminhão,
ou quiçá,
nas chacoalhadas intermitentes de um carro de boi.
Um assento,
fragilmente selado,
no lombo de um burro.
Um passaporte,
só de ida,
no horizonte desconhecido.
Uma coruja,
com asas benevolentes,
capaz de guiar pela escuridão da noite.
Uma gaivota,
que sobrevoe o infinito do mar,
e que conduza a uma nova cidade.
Um peixe,
que leve pelas profundezas dos oceanos,
nos distantes redutos abissais.
Rusticidade na origem,
precariedade do transporte...
Meios e variadas circunstâncias para evadir.
Num grande desejo de partir,
o coração se apega à mínima possibilidade de fuga.
Independente da forma de saída,
sempre existirão incertezas sobre as novas estações de parada,
neste trem que percorre o caminho da ilusão.
Depois de um tempo,
dificuldades no contexto da saída pode se tornar até irrelevantes,
posto que exigências da vida são constantes.
Mesmo que alguém possa ter sido beneficiado nas suas primeiras partidas,
pessoas sempre terão que desenvolver novas habilidades.
Na musicalidade da vida,
sempre exigirão novos repertórios, novos acordes.
Cada regente deverá desempenhar novas maestrias.  

Desejos

Desejos... De andar sobre as águas. De encontrar a flor de lótus, nos pântanos da vida. De traduzir mais entrelinhas. De perdoar mais, não ...