quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Recôndito

No alto da serra,
entre fontes e nascentes,
uma vivenda na simplicidade.
Rusticidade paira no ar.
Numa extensa,
simples,
e aconchegante varanda,
abrigo aos pássaros,
receptividade para visitantes.
Portões livres aos pensamentos.
Cômodos convidativos à oração.
Reflexão,
acolhimento.
As atenções são variadas:
movimentos dos pássaros,
uivos dos ventos,
neblina do horizonte.
Liberdade para arranhar acordes,
cadenciar canções,
arranhar versos.
Em substituição às exigências do ofício,
a espontaneidade.
Ponteiros do relógio giram despercebidos.
Nada de processos, metodologias...
Adaptações com o remoto garantem
funcionalidade do essencial.
Rodeado de árvores,
um ambiente de abrigo para a alma.
E no coração de um corredor,
outrora aflito e apressado,
a serenidade,
a mansidão.
O desejo de chegar antes do amanhecer,
e preceder os raios do sol não mais existem.
Aprendizados se desconcertaram.
No alto da colina,
o viajante inquieto quer mesmo é descansar.

Divagações

Há um sentimento vagando por aí... Verbalizado nos mais extrovertidos. Ofuscado de distintas formas,  sobretudo nos âmagos mais fechado...