terça-feira, 26 de julho de 2016

Revelação

Nas veias, o sangue borbulhando.
Risco iminente de uma hemorragia emocional.
Nos ombros, um furioso vulcão expelindo lavas sobre a epiderme.
A fervura e ebulição do momento se convertem em completa alucinação.
Movimentos involuntários dos sentimentos.
Limite entre a realidade e o devaneio.
Imaginação surgindo em curtos momentos.
Pensamentos etéreos.
Concomitantemente, lapsos de memória.
Instantes parecendo durar uma eternidade.
Palavras falando menos que os olhares.
Completa desconexão.
Na visão externa, a tradução de uma completa tribulação.
Nos olhos, a abertura da alma.
O cadeado e as fechaduras da razão não conseguem fechar as portas do sentimento. 
Das pupilas emergem um interior sombrio do baú de memórias.
Assim como as areias escorrem pelas mãos, temperamentos gotejam das reentrâncias de uma vida.
A fraqueza humana se encharca de lágrimas.
Numa visão puramente subjetiva, desnuda-se a alma.
Flagrantes...
Exposição completa da fragilidade humana.

domingo, 10 de julho de 2016

Velhice

Nos movimentos, passos lentos.
Por todos os cantos da casa, o relógio dos sinais marcando, visivelmente, um novo ciclo.
Na ampulheta, os grãos de areia consomem, de forma intermitente, o tempo.
Pelos arredores, traços de senilidade.
Ausência de forças o suficiente para cadenciar uma velocidade maior.
Impor celeridade no compasso pode gerar perda de equilíbrio.
Neste momento, sinalizações que existem, fisicamente, privações.
Hábitos básicos do cotidiano requerem uma atenção especial.
Por mais que as ideias sejam condoreiras, a cautela é importante.
As articulações já não respondem, integralmente, às ações diárias.
Conflitos entre corpo e mente.
Aos mais próximos, a preocupação constante, posto que a observação cotidiana explicite claramente as limitações do idoso.
Ao protagonista, a resistência em aceitar a realidade que o acerca: discernimento relutante em condescender com sua situação.
Estágio da vida que exige renúncia de hábitos simples do cotidiano.
Necessidade de parar ou mesmo abrandar algumas atividades que, outrora, eram frequentes, rápidas.
Fase em que o refletir deveria acontecer mais que o fazer.
A velhice é um drama que todos, de alguma forma, passarão.
Mesmo assim, creio que sementes que formos disseminando ao longo da vida podem, de certa maneira, abrandar um pouco esta dura realidade.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Fatos tardios


 Neste mundo cheio de adversidades, fatores climáticos sempre geram surpresas no calendário das estações.
Este ano não foi diferente, e o espetáculo das árvores desta estação chegou relativamente atrasado. Cerca de um mês além do esperado.
Um pouco fora do tempo, mas chegou.
Em nossa vida também é assim: muitos acontecimentos chegam de forma tardia.
Quantas vezes os frutos amadurecem fora do tempo?
Quantas sementes lançamos na vida em terrenos com as mais variadas condições?
Temos situações, inclusive, que a longa espera se converte em esquecimento.
É curioso que, em alguns casos, obtemos o retorno da colheita em momentos que os resultados já não tem mais sentido, ou nem mais nos lembramos deles. São sonhos que se divergem nos meandros da vida, e depois se diluem nas águas do mar.
Uma iguaria perde seu valor se vier depois do seu horário, em situações que, literalmente, já se saciou a fome.
Na vida, pessoas lutam por conquistas veementes, com unhas e dentes. Debruçam-se sobre algo a que dedicam enorme esforço, deixando de lado ao que seja mais essencial.
E justamente por não ser tão importante é que, os resultados quando vêm, podem chegar em momentos já distintos e adversos, nos quais a contemplação seja consumida por uma total falta de sentido.
Desejos exauridos...
A vida tem seu calendário para cada um de nós: tudo tem seu tempo, e sem nenhuma regularidade como se esperaria para uma estação.
Entretanto, algumas colheitas na nossa vida podem já chegar com o prazo de validade expirado, sem a menor importância: sinalização de muito esforço em vão.
Que tentemos buscar sempre o essencial.
E sobre o que vale a pena: que não deixemos de esperar pelos frutos destas sementes selecionadas.   

Divagações

Há um sentimento vagando por aí... Verbalizado nos mais extrovertidos. Ofuscado de distintas formas, sobretudo nos âmagos mais fechados,...