sexta-feira, 15 de maio de 2015

Sentimentos positivos

Ter fé é algo necessário e extremamente imprescindível na nossa vida.
Fundamentalmente, ela não requer que tenhamos elementos favoráveis para que ela se torne realidade.
Imagino uma vida sem este ingrediente: um vazio completo, um mar de descrenças. 
Encontrar-se num estágio como esse na vida... Creio que já seja estar morto, mesmo com o sangue correndo pelas veias. Algo forte e determinante o suficiente para jogar uma pessoa num completo estágio de letargia. 
Na literatura, esta corrente de céticos tem se mostrado presente ao longo de, praticamente, todos os escritos dos quais se têm registro.
Iniciando-se pela Bíblia, temos o livro das Lamentações, ainda no Antigo Testamento, que já abordava esta temática. 
Os Salmos, em alguns momentos, também tratam isso, posto que descrevam também sentimentos tipicamente humanos.
No período do Romantismo, segunda fase, temos o Mal do Século.
Já no final do século XIX e início do século XX, temos os niilistas. Em paralelo e, de certa forma concomitante, haviam os positivistas. Acreditavam que tudo deveria ser provado pela ciência, algo extremamente oposto ao conceito de fé. 
Bom... Estes são somente alguns exemplos. 
O lirismo, eivado da descrença, assume manifestações das mais distintas formas.
Desapegar-se destes pensamentos negativos... 
É o que todo indivíduo deveria procurar, a todo custo, por mais que o mundo possa tentar, intermitentemente, provar-nos o contrário. 
É preciso acreditar... 
Isso não significa tomar o caminho da ingenuidade.
Devemos sonhar...
Mergulhar na magia de que somos sim capazes de conseguir algo, mesmo que nossa condição de humanos nos limite em alguns aspectos.
Este sentimento otimista deve estar presente na nossa mente. 
Ele é o combustível que sustenta-nos constantemente de energia, dando-nos suporte para enfrentar as adversidades e perdas inevitáveis ao longo da caminhada.
Nutrir o coração de esperanças...
Forma de tornar-nos vivos e confiantes de que algo pode ser sim possível, alcançável.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Livros de Autoajuda

Compreender, explicar e viver a vida em plenitude: algo não muito fácil.
Inebriar-se no desconhecido do futuro, onde existam mistérios e incertezas quanto ao simples minuto seguinte que viveremos. 
Isso pode se tornar algo complicado para quem não tem fé.
Para muitos, a busca incansável e disciplinada por objetivos das mais diversas formas é sempre a garantia plena e convicta de sucesso. E é nesse segmento de mercado que o mundo editorial atua, o nicho de Autoajuda
De olho em quem quer comprar a ideia do sucesso, inúmeros livros surgem a todo momento. 
Incontáveis publicações vêm com receita completa. Uma verdadeira panaceia que vai resolver todos os problemas e que trará também prosperidade. 
Muitos se tornam famosos e rentáveis best-sellers.
Livros que possuem um conteúdo bem articulado de ideias e com um ritual determinístico que, se seguido fielmente, trará o resultado que cada pessoa almeja, sonha e/ou aspira para sua vida.Isso é algo muito bem trabalhado e explorado pelo mercado editorial.  Entretanto, toda esta ideologia e corrente de pensamento não pode comprovar o êxito, efetivamente, na vida dos que estão buscando este sucesso a todo preço. 
Se a meta não foi alcançada já se tem até a justificativa (dos escritores) de que o esforço não foi obtido porque ainda não houve uma dedicação tão exclusiva e disciplinada que se esperava de certa situação.
A temática destes livros omite de forma clara muitos fatores que estão, intrinsecamente, ligados a nossa condição humana. 
Assumir que, por sermos humanos, estamos a todo o momento sujeito a erros, falhas, imperfeições é algo que não é abordado jamais nestes livros. 
Dizer que somos limitados perante Deus jamais pode ser mencionado. 
Falar sobre isso compromete a venda de produtos neste segmento, principalmente os que são mais céticos por natureza. E a ideia do mercado editorial não é essa. É simplesmente, vender.
Numa abordagem ainda mais a fundo, na vida mesmo dos que escrevem os livros fica a ideia... 
Será que esta metodologia de vitória está presente na vida dos mesmos?  
Conseguiriam estes autores converter toda esta linha de pensamento em algo concreto nas suas vidas pessoais, famílias, etc. ? 
Acho que não.
A questão é que a teoria é muito mais fácil que a prática.
A luta pela vida deve ser feita a todo o momento. 
Vida é trabalho, esforço, dedicação, alegrias, sofrimentos, derrotas, decepções ... 
Acreditar que podemos alcançar algo é necessário sempre. 
E é o que nos motiva a sempre dar um passo adiante rumo ao desconhecido. 
Porém, só não se pode esquecer que a perfeição plena é algo somente pertencente a Deus. 
Não somos deuses. 
Toda garra e engajamento que dispusermos sobre nossos sonhos e metas, e estes sim são imprescindíveis para o êxito, têm um limite até aonde podemos ir. 
Dali em diante somente Deus pode decidir.
Precisamos, pois, de Deus, para realizarmos o que queremos nesta vida. 
Somente depois de fazermos a nossa parte, indo nos limites de nossas ações com todo nosso esforço, é que ele pode sim decidir se somos merecedores. 
A última ação é Dele.

Falando da Vida

2015: ano que já começou, e pequena parte deste já foi consumida. Carnaval já ficou para trás. A vida não pára. O relógio pode até parar, visto que tem bateria, mas a vida não.
No horizonte deste ano, um cenário de incertezas por diversas formas: problemas de falta d’água, inflação aumentando, desemprego crescente, dólar e gasolina nas alturas ...
O que se percebe nas pessoas é uma notável apreensão quanto ao que nos reserva este ano. A mídia fala disso por meio de seus mais distintos canais de comunicação. A descrença no governo, na economia, na segurança pública ... Enfim, o pessimismo está muito grande.
E diante disso muitos questionam. O que será deste ano?
Problemas para todo lado!
É preciso entender que ele é parte de nossa vida. Seja ontem, seja hoje, eles sempre existiram. Ele é um personagem coadjuvante na vida da maioria das pessoas, e dependendo de uma situação mais crítica, ele pode vir a se tornar o protagonista. Cabe a nós não deixarmos que o mesmo se torne o personagem principal de nossa vida, lutando contra isso a todo momento.
Se compararmos as crises pelas quais passaram a humanidade há 20, 30, 50 anos ... Haverá, naturalmente, mudanças e aspectos distintos relacionados a ele, como tecnologia, hábitos e culturas específicos de cada geração. Porém, agora ou antes, a essência não mudou: dor, sofrimento, decepção... De alguma forma estes componentes estavam presentes nas vidas das pessoas.
Problemas mudam somente de lugar, de tempo, de circunstância, de endereço.
Agora sob o ponto de vista otimista, creio que eles existam para que cresçamos como pessoas.
São nos problemas que estão as grandes oportunidades. Foi à partir deles que as melhorias e avanços da humanidade vieram. Se tudo fosse perfeito desde o início não haveria nenhum fator que motivasse a mudança.
A condição humana para evoluirmos como pessoas está, inevitavelmente, ligada a nossa forma de encarar os problemas.
A complexidade de alguns deles exige até mesmo mais cautela e análise prévia para lidarmos com os mesmos, antes que tomemos as medidas para saná-los.
Mesmo que não consigamos resolver todos, devemos estar sempre aptos e dispostos a resolvê-los.
Vida é luta!
Dessa forma, mais que tentar entender o que vem neste ano de fatos determinantes na nossa vida, é preciso tentar entender algo maior, que é  a vida, com seus mistérios, entrelinhas, desafios, oportunidades etc...
Entender como lidar com cada problema, e como ser tolerante com as coisas que, infelizmente, não conseguimos mudar. Desistir jamais. Lutar sempre.

Paternidade

Forma surpreendente de manifestação de amor.
A cada instante, um ato comovente e emocionante da criança.
Num universo de pureza e sinceridade delas, presenciamos a todo o momento, gestos de ternura e carinho.
O fato de não ter se envolvido ainda plenamente com o mundo, com suas relações sociais e todas as suas armadilhas, dissimulações, coloca as mesmas num patamar superior ao nosso. É algo espiritual e divino.
Há, sem dúvida, um universo perfeitamente harmônico entre elas e Deus.
Esta percepção é visível nos pequenos gestos que vemos, ao conviver diariamente com elas.
Esta energia é irradiante, e nos influencia positivamente.
Na condição de pai, sentimos a necessidade de ser melhores...
A responsabilidade de dar exemplos bons com nossos atos faz-nos crescer espiritualmente também.
Creio que somente com um comportamento condizente ao que ensinamos é que a educação dada a elas seja mais efetiva.
Isso não é nada fácil.
Algo bem árduo de se alcançar, e que torna mais complexo à medida que estivermos mais envolvidos com as coisas do mundo. Mundo este que é competitivo, interesseiro, traiçoeiro.
A paternidade tem algo mágico, que nos induz a tentar resgatar no coração este sentimento que, na maioria das pessoas, já se perdeu.
Em outros, essa sensação pode vir de outras formas, podendo ser algo que nem mesmo se pensou ou verbalizou, justamente por não se ter vivido este contexto.
Ainda em outras distintas circunstâncias, essa sensação pode surgir na vida de outrem que, dadas suas experiências de vida, jamais se imaginou que isso pudesse existir.
Inebriar-se no universo da paternidade e usufruir de todas as possibilidades divinas que o contexto e momento nos oferecem: algo sem medida.
Há muitas sensações intrínsecas que somente compreendemos quando também somos pais.
O pensamento nos leva a evadir no tempo, e voltar no universo e cenário de nossa infância, em momentos da imaginação que ficaram vagos, remotos e escondidos na infância, a ponto de imaginarmos o amor que nos foi dado por nossos pais, com sua disponibilidade infinita de dedicação para suportar, no silêncio, inúmeras noites de sono mal dormidas, privações das mais distintas formas...

Abstrações, pensamentos, impossibilidades

No retrovisor interno, um olhar desconcertante. No movimento da estrada, olhos se desvirtuam, de forma ocasional, para minha ...